sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Porta 10 A - Sporting Vs Brondby 1º mão 0-2


Sendo sportinguista de gema, custa-me bastante escrever uma crónica sobre este jogo, pois após ver ontem este triste espectáculo, a minha vontade era nunca mais falar/recordar o que se passou ontem no estádio José de Alvalade.
Mas penso que é importante referir o que correu mal para que o Sporting saísse vergado perante o Brondby.
Mais uma vez o Paulo Sérgio entrou com uma equipa em campo voltada claramente para o ataque jogando com um extremo bem aberto (Valdés) e com Matias Fernandes a 10, na tentativa de "emprestar" melhores soluções á dupla Liedson/Postiga. Até aqui tudo bem, a ideia até nem soa mal, tendo um super João Pereira (o único jogador que esteve em campo ontem) a fazer todo o corredor direito, dava total liberdade a Matias para passear pelo terreno na procura de espaços abertos e de fazer jogo entre-linhas. Afinal o que falhou aqui?
Eu não me considero nenhum "iluminado" nem tão pouco nenhum "Special One" mas acho que qualquer pessoa com dois palmos de testa e que veja futebol á meia dúzia de dias, sabe que para jogar com 4 homens virados completamente para o ataque, contado com mais dois laterais ofensivos (João Pereira é praticamente um extremo) tem que haver "tampões" no meio-campo.
Ora o Sporting jogou com Maniche e André Santos, nenhum deles é trinco nem nenhum deles é 10, são ambos dois médios-centro que quanto muito emprestam uma boa ajuda a um trinco á semelhança do que Raul Meireles fazia o ano passado no porto a auxiliar Fernando no meio-campo portista. Ou seja, espero estar enganado e também ainda é muito cedo para estar a fazer juízos de valor sobre Paulo Sérgio, mas admito que me custa ver este treinador cometer erros atrás de erros em jogos consecutivos, e de natureza básica.
O Brondby por seu turno, demonstrou ser uma equipa muito bem organizada e muito "matreira", trazendo de casa a lição muito bem estudada e fazendo aquilo que lhe competia, explorar a saída rápida para o ataque sem que houvesse a mínima oposição por parte do Sporting. Os golos acabaram por surgir com alguma naturalidade, pois era óbvio que quando os Dinamarqueses saíam para o contra-ataque (transformavam-se rapidamente num 4-3-3 enquanto defendiam num 4-5-1) conseguiam colocar rapidamente quatro ou cinco elementos no meio-campo adversário através de processos de transição bastante simples, mas que faziam a cabeça em água á defesa/meio-campo do Sporting que ficava muitas vezes apenas com três elementos cá atrás (os dois centrais mais o evaldo). Basicamente aquilo que vi ontem, foi um Sporting inseguro, sem saber o que fazer, oferecendo muita garra e muito empenho mas sem cabeça ou um mínimo de lógica. Matias Fernandes tem talento mas tarda em impor-se no Sporting, Liedson está completamente acomodado ao seu lugar, André Santos não me parece ser jogador para o Sporting (quanto muito é um bom suplente), Vuckcevic fica inexplicavelmente pela segunda vez no banco de suplentes quando ele a par de Djálo foram os melhores elementos da pré-época. O Sporting precisa urgentemente de um Ponta de Lança que dê garantia de golos, pois apesar do jogo de ontem ter sido paupérrimo o Sporting ainda dispôs de alguns lances de perigo mas falta quem converta os "ses" em golos.
Tal como referi no inicio da crónica o destaque vai sem dúvida para o João Pereira, jogador que não se deixou afectar pelo sub-rendimento da equipa, e que ainda parece trazer as ideias de braga onde se tornou o grande jogador que é hoje, a ele o meu agradecimento pelo a exibição de ontem, e pela maneira de estar em campo, em que disputa cada lance como se fosse o último da sua vida.

3 comentários:

Pain disse...

A última pessoa que me lembro de ver usar este 4-4-2 foi o Quique Flores.

Paulo Sérgio ainda vai a tempo...

The Little One disse...

Muito bem, o que é que eu achei do jogo?

Fiz questão de grava a primeira parte para depois ver o jogo completo.

Concordo contigo na maior parte dos aspectos mas acho que se está a empular quando se diz que ninguém jogou nada e que só o João Pereira esteve em campo.

O problema é nítidamente táctico como tu, muito bem referes mas há outro.

A equipa tem de facto que aprender a defender, a compensar e principalmente a matar as hipoteses de a equipa adversária sair tão facilmente em contra-ataque.

Mas de onde é que isto vem? Para mim há duas questões, primeiro a equipa está a ser feita do ataque para a defesa em vez do oposto, o sporting mexe-se, o sporting tem ritmo ofensivo, o sporting cria oportunidades, o sporting está a jogar mínimamente à bola. O Matias precisa de ser o Matias que nunca foi e que pode ser e um ponta de lança matador não fazia mal nenhum, mas se o Liedson engrenar penso que servirá perfeitamente.

O outro problema é um problema técnico, relativo aos jogadores, o sporting não tem identidade, e é perfeitamente normal.
João Pereira não foi titular a época toda, Evaldo vem de novo, Carriço e André Coelho fazem agora a sua primeira época a sério como titulares duma equipa. O André Santos, o Pedro Mendes, o Maniche, o Valdes são novos, enfim, isto é uma equipa nova, os jogadores não estão rotinados no sistema, nem têm mentalidade de grupo que lhes permita jogar num nível superior.

Repare-se, o Benfica encontrou um equipa e a falta de dois jogadores está a dar dores de cabeça, o Porto perde o Bruno Alves e o Meireles e vai buscar jogadores para essas posições... O Sporing foi buscar um contentor e agora tem que fazer uma equipa. Com o Pedro Mendes e esta defesa rotinada ou muito me engano ou daqui a 3, 4 jogos o sporting entra num ritmo de vitórias e estará toda a gente a elogiar o futebol da equipa.

The Little One disse...

Estive na presença do Zé Carlos e ouvi isto "então esta é a primeira época a sério do Carriço!?!?!" e depois fui insultado, lol.

Então cheguei à conclusão que "aquilo" que o Sporting fez o ano passado foi uma época a sério, pronto, rendo-me ao argumento.

Estúpido! :)